domingo, março 28, 2010

Do coração e da guerra

Quando criança, na velha casa onde morava com uma imensa família, havia pendurado um pequeno quadro na parede com a imagem de Joana D'Arc. Demorei a encontrar, na internet, a imagem da santa exatamente como aparecia naquele quadro tão antigo. O fato é que cresci olhando para ele e imaginando quem seria aquela mulher por trás da armadura. Aquela mulher com expressão de mártir, a vestir na parte de cima do corpo uma armadura tão masculina e, na parte debaixo, uma linda saia comprida, adornada com figuras de flor-de-lis, numa clássica alusão à França. Naquela época, eu não sabia o que eram flores-de-lis, nem sua simbologia na França, nem nada. Mas eu era incrivelmente atraída por aquela imagem, sem compreender o porquê.

A imagem da mulher de armadura me acompanhou pela vida inteira, e se torna especialmente nítida agora, nesse momento em que atravesso minha guerra particular - uma entre tantas que sei que atravessarei na vida. Às margens dos meus trinta anos, estou aqui, armadura vestida e espada em punho. Saio de minha casa confortável, meu pequeno e simbólico útero, para rasgar a selva de pedra da cidade que me viu crescer, para enfrentar meus bichos, para parir uma dissertação de mestrado pela qual há tanto tempo eu vinha empenhando todas as forças. Sei que é uma guerra. E, como em todas as guerras, sinto alternar o ânimo, a coragem, o ímpeto de seguir em frente com o gelo da solidão, do medo, da insegurança diante de um futuro impossível de se vislumbrar. No meio da neblina, sinto meus olhos arderem, a visão embaçada e um frio a me cortar a pele. Hoje, acordando em meio a esse nevoeiro, descobri que sempre fui um soldado diferente dos outros.

Acho que sou a espécie de soldado que, sem falsa modéstia, sempre foi bom combatente por não se crer invencível. Eu luto com o medo ao meu lado, sentado em meus ombros como um corvo. Mas eu luto. Eu luto com saudades de casa, desejando voltar. Mas eu luto. Aprendi que só consigo acordar no dia seguinte, para mais uma batalha, se me permitir sentar sozinha à madrugada para chorar todas as lágrimas que quiserem sair. Para sentir saudade, sentir medo, sentir fraqueza, sentir que queria voltar a ser criança e ser embalada no colo materno. Depois, como que por mágica, renasço mulher, senhora de mim, com uma tempestade no peito, pronta para ficar de pé.

Hoje, me sentindo frágil e quebradiça, acordei me lembrando da imagem de Joana D'Arc. Deixo aqui a oração a ela dedicada e meu pedido de que me ajude sempre a marchar, mesmo através da neblina fria. Peço à santa que desde criança me acompanha que, quando eu sentir frio, me agasalhe; que agasalhe meu coração roto. Que agasalhe minhas mãos geladas para que elas possam continuar trabalhando. Que agasalhe as pessoas que amo para que elas não sintam frio quando eu estiver longe e não puder abraçá-las.

Ó Santa Joana D'Arc vós que, cumprindo a vontade de Deus, de espada em punho, vos lançastes à luta, por Deus e pela Pátria, ajudai-me a perceber, no meu íntimo, as inspirações de Deus. Com o auxílio da vossa espada, fazei recuar os meus inimigos que atentam contra a minha fé e contra as pessoas mais pobres e desvalidas que habitam nossa Pátria. Santa Joana D'Arc, ajudai-me a vencer as dificuldades no lar, no emprego, no estudo e na vida diária. Ó Santa Joana D'Arc, atenda ao meu pedido. E que nada me obrigue a recuar, quando estou com a razão e a verdade, nem opressões, nem ameaças, nem processos, nem mesmo a fogueira. Santa Joana D'Arc iluminai-me, guiai-me, fortalecei-me, defendei-me. Amém.

Salaam
Layla

Imagem: www.portalbaw.com.br/religiao/santas.htm

7 Pitacos:

Blogger Big Daddy Big Head falou...

Chagas abertas, sagrado coração todo amor e bondade, o sangue do meu senhor Jesus Cristo no meu corpo se derrame, hoje e sempre. Eu andarei vestido e armado, com as armas de São Jorge, para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me encherguem, e nem em pensamento eles possam ter para me fazerem o mal, armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças quebrarão sem meu corpo chegar, cordas e correntes se arrebentarão sem o meu corpo amarrarem.
Jesus Cristo me proteja e me defenda com o poder da sua santa e divina graça, a Virgem Maria de Nazaré me cubra com seu sagrado e divino manto, me protegendo em todas as minhas dores e afliçoes e Deus com a sua divina misericordia e grande poder seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meus inimigos, e o glorioso São Jorge em nome de Deus, em nome de Maria de Nazaré , em nome da Falange do Divino Espirito Santo estenda-me o seu escudo e as suas armas poderosas defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza dos meus inimigos carnais e espirituais , e de todas as suas más influencias, e que debaixo das patas de seu fiel Ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a Vós sem se atreverem a ter um olhar sequer que me possa a prejudicar. Assim seja com o poder de Deus de de Jesus Cristo e da Falange do Divino Espirito Santo, Amém.

Tamu Junto! Longe porém Junto! EVER

3/29/2010 06:10:00 PM  
Blogger Giane falou...

Layla...

Há momentos em que Eu também me entrego a uma fraqueza e tristeza infinitas. Penso que não vou conseguir me mover para enfrentar mais um dia.
Então, como Você, penso em Seres que superaram suas dificuldades que mesmo em meio a tantas descrenças, até de si mesmos insistiram, persistiram e chegaram onde queriam. Foram vitoriosos.
E me espelho neles.
E entre esses seres a Matriarca e Você.

Continue com essa Fé - em exemplos como o de Joana, no invisível que compõe o Universo de nossas crenças e em Si mesma.

Beijos mil, Amiga na Mente, nas Palavras e no Coração!!!

3/31/2010 08:22:00 PM  
Blogger Elis teles falou...

é isso...seguir "combatiendo" e com isso provocando e construindo suavidades.

bjim gi!

4/01/2010 07:38:00 PM  
Blogger Lisavietra falou...

Lindo! Lindo! Lindo! Texto lindo, intenso, inteiro, entregue, verdadeiro, desses que fazem quem está do lado de cá se identificar, se emocionar, se renovar.
Valeu!

4/08/2010 06:30:00 AM  
Anonymous Zilma falou...

Layla, você é uma guerreira. E os guerreiros vencem as próprias fraquezas e não se entregam. Muita força e luz no seu caminho.

4/27/2010 05:23:00 PM  
Blogger Turmalina falou...

Me empresta Joana um bocadinho?
Porque tá difícil, viu!
Bjosss e muita luz :o)

7/09/2010 09:57:00 PM  
Anonymous Wilza falou...

Coisa mais linda a forma como você sente e escreve, Layla! Estava tendo e lendo "Fases como a Lua" e acabei parando aqui. Fiquei encantada do início ao fim com tanta sabedoria de vida, com a humanidade com que você traduz sentimentos tão difíceis de sentir, quanto mais de serem descritos.
Paz para seus dias!
Wilza.

12/29/2010 09:43:00 PM  

Postar um comentário

<< Início