terça-feira, junho 13, 2006

12 de junho (ou o dia em que sonha-se dar as mãos)

Eis que o passado se redesenha, enchendo de água os olhos da beduína. As lágrimas rolam descontroladas, mancham a pintura negra das pálpebras, tingem de gotas escuras a galabia. A mulher fita o céu em seu exercício diário de paciência. Sonha em ver surgir, na paisagem, um vulto há anos partido e ausente.

"Meu Senhor, os olhos estão fechados, as estrelas se põem, os pássaros estão nos seus ninhos e os monstros nos abismos não se mexem.Tu és o justo que não sofre qualquer alteração, a Eqüidade que não se desvia, o Eterno que não passa. As portas dos reis estão fechadas e guardadas pelos seus cavaleiros. Mas tua porta está aberta a quem quer que te invoque.

Meu Senhor, cada amante está agora só com seu amado. E eu estou só contigo."

Rabiah Adawiah, uma das maiores sábias do Islam

A beduína projeta o olhar ao longe, e roga: "Meu Deus, meu Deus, meu Deus... Ajude-me a ser tão forte quanto todos pensam que sou".

Salaam
Layla

4 Pitacos:

Blogger janamichels falou...

Lindo... Beijos para você!

6/16/2006 02:16:00 AM  
Blogger Turmalina falou...

Olá Habiba amiga

Sua força é inquestionável, embora sua beleza seja de uma verdade ímpar...
Não se esqueça que a felicidade alheia muitas vezes é ilusória...
Existe sim o tempo de ser realmente feliz...e logo,logo, o seu chega! Confie principalmente nos seus instintos...
Um beijo do tamanho do mundo

6/17/2006 08:16:00 PM  
Anonymous Anônimo falou...

Layla, concordo em gênero, número e grau com Turmalina!
"Não se esqueça que a felicidade alheia muitas vezes é ilusória..."

Saudades!

Beijo com ares "Das Madrugadas Taciturnas"

Mirka

6/18/2006 11:13:00 AM  
Anonymous nai falou...

olá, seu blog é mt bom! adorei msm!
parabéns.

6/18/2006 12:31:00 PM  

Postar um comentário

<< Início