terça-feira, março 07, 2006

Das coisas que ninguém vê

E eis que, naquele bar, me peguei observando a pobre moça.

Olhos no chão. Olhos ao redor, nas luminárias pendentes. A moça mantém os olhos no rótulo da garrafa de vinho, nos quadros com figuras de violinos, nos detalhes ao redor. Olhos inquietos, inquietos como ela que, apenas por fora, transpira uma calma invejável.

A moça repousa o olhar na janela. O que será que ela olha, pergunta-se alguém que porventura tenha reparado naquela cena onde um par de olhos jazia no vidro fumê, perfurando-o com uma intensidade aterradora. O que haverá atrás da janela, pensavam, o que poderia haver atrás daquele vidro... O que chamava tanto a atenção da moça de olhos irrequietos, indagavam-se...

Não havia nada para além daqueles vidros. Nada, além da noite escura, que os tingia de negro e fazia deles espelhos. A moça repousava ali seus olhos apenas porque, em sua discrição costumeira, conseguia ver ali uma imagem refletida. A imagem dele, conversando com os amigos. A imagem que ela não podia fitar de verdade. Mas bastava-lhe o reflexo no vidro da janela.

Ninguém sabia que dentro daquela moça havia uma orquestra tocando a nona sinfonia de Beethoven toda vez que ele passava.

Salaam
Layla

2 Pitacos:

Anonymous Wagner falou...

Passou um filme de recordações na minha cabeça...

3/08/2006 10:31:00 PM  
Blogger Turmalina falou...

Qto ao pequenino post "Vou ser feliz e já volto"....tô lendo aos poucos, doses homeopáticas!!!
Mas continue sendo feliz, ok???
Beijos fofos

3/09/2006 09:53:00 PM  

Postar um comentário

<< Início