segunda-feira, janeiro 23, 2006

Hino dos Comedidos

Não me agradam esse homens
bem fracionados no tempo,
cedendo-se amavelmente
em todas as ocasiões
e mais também não me agradam
os partidários tão vários,
de toda moderação.
Vou passando bem distante
desses homens comedidos
deses homens moderados.

Antônio guarda seu vinho
muito mais de vinte anos
para bebê-lo mais velho
Clara não estréia o vestido
quer outra oportunidade.

Os noivos em castidade
bem além de doze anos
ainda apregoam o amor.

Os homens de ferro hoje
só sabem anunciar
uma mensagem de espera.
Aguarda a felicidade,
Vê o momento oportuno,
Não penses nunca em amor
Nem sejas tão ansioso,
resiste à melhor viagem
desconhece a emoção.

O hino dos comedidos
de todos bem fracionados
a humanidade invadiu.
Desejam oportuníssimos
Sempre expelindo relógios
aguardam os melhores instantes
subdivididos em prazos
doutrinam sincronizados
Sofrendo convencionais
Apenas grandes tristezas
Creditadas nos jornais.

Eu? Eu já sou diferente.
Não sei viver minha vida
entoada nesse hino
Esterelizada em prazos
De regras universais.
Não me situo na espera
E por profissão de fé
Acredito em circunstância
Acredito em vida intensa,
Acredito que se sofra,
mesmo muito, por amor.

Adeus homens moderados,
Adeus que sou diferente.
Compreendo a mulher que rasga
as vestes em grande dor
e sinto imensa ternura
pelo homem desesperado.

(Lupe Cotrin)


Ah, esse mundo. Esse mundo amorfo, comedido, assexuado e normopata... Esse mundo intrigante que produz monstros, e também pessoas com o teu olhar.

Ah, esse teu olhar. Que naufrágio.

Salaam
Layla

5 Pitacos:

Anonymous æon falou...

Confirmado, o amor está no ar!

Muitas felicidades pra ti Dona Loba.

1/23/2006 12:48:00 PM  
Anonymous Anônimo falou...

Repito: só mais uma ilusão.

1/23/2006 05:00:00 PM  
Blogger Layla falou...

Esse mundo não é feito apenas de comedidos, mas também de covardes, que se escondem atrás do anonimato para dizer o que pensam... Tuas palavras são as de alguém sem esperança. Alguém empedernido. Me dás pena. Porque enquanto és assim, eu sou livre como uma canção cigana.

1/23/2006 05:49:00 PM  
Anonymous Cris falou...

És livre como uma cigana sim, querida. E livremente vá até onde o amor te chamar. Experimente a amável a clausura, a deliciosa queda, enquanto tua grande força te for possível, até quando te permitirem os anos. Ame mesmo que de graça. Ame mesmo que seja um anjo de asa quebrada.
Que tu voes mas que continue amando tuas raízes. Um beijo enternecido, querida amiga(com orgulho digo essa palavra "amiga").
E que belo poema né?rs. Meus olhos brilharam, rararara( e eu tb não ando em naufrágios?rs)
Beijo e votos de felicidade da Cris.

1/25/2006 06:00:00 AM  
Blogger Turmalina falou...

Não foi só uma vez que escutei alguém me dizer:
- Vc é muito "porra louca". A expressão é meio xula, mas dá prá entender direitinho o que quiseram dizer: - Olha, sou comedido demais e não aguento este seu jeito livre de ser...
Na verdade talvez eu seja muito mais livre no meu pensar, mas aqui nesta terra, ninguém me julga, vivo a minha vida como penso que deva ser, principalmente intensa!
Tenho pavor à pessoas comedidas demais...
Beijos

1/27/2006 11:12:00 AM  

Postar um comentário

<< Início